Júlio César

9/28/2006

Você deseja prosperar?


Você deseja prosperar?


Você deseja a prosperidade de Deus para sua vida, família e ministério? Se a resposta é sim, então veja o conselho de Deus para você.
“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, não se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta a roda dos escarnecedores; Antes tem o seu prazer na lei do Senhor, e na sua lei medita de dia e de noite. Pois será como arvore plantada junto às correntes de água, a qual dá o seu fruto na estação própria, cuja folha não cai; e tudo quanto fizer prosperará”. (Sl 1.1-3)

Aqui está o caminho da prosperidade. É ter prazer e deleitar na lei do Senhor, na palavra de Deus, e meditar nela de dia e de noite.
O que acontece na vida daquele que tem prazer e alegria e em meditar na palavra de Deus

Primeiro: “Será como uma arvore plantada junto a correntes de águas”. As suas raízes estarão sempre bem regadas e conectadas com a fonte de vida.

Segundo: “Dará o seu fruto na estação própria”, ou seja, Terá equilíbrio em tudo o que faz. Isso fala em temperança e de equilíbrio. As coisas não acontecem nem antes e nem depois do tempo. Assim é a pessoa guiada por Deus para agir na hora e momento certo.
Terceiro: “Cuja folha não cai”. Nunca depende das quatro estações do ano. Suas folhas estão sempre verdes. Aquele que medita na lei do Senhor não depende da economia do país, do governo, da boa vontade do seu patrão, da circunstância. Deus o mantém sempre protegido.
Quarto: “E tudo quanto fizer prosperará”. Esta é a conclusão! Deus quer te fazer prosperar em todas as áreas de sua vida.


Quando Deus formou Adão do pó da terra, diz a palavra de Deus que ele era apenas um boneco de barro. Mas em Gênesis 2.7 diz que Deus soprou em suas narinas o fôlego de vida, ele tornou alma vivente. O sopro de Deus deu vida ao homem.
Paulo diz em 2 Timoteo 3.16-17 “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra.
A palavra inspirada significa soprada. Note que Paulo usa a mesma palavra de gênesis 2.7. Deus sopra em nós fôlego de vida, através de sua palavra Jesus são espírito e vida. (Jo 6.63).
Esta palavra nos capacita para sermos homens de Deus preparados para toda boa obra.
O rei Davi dizia: “Lâmpada para os meu pés é a tua palavra, e luz para os meus caminhos”. (Sl 119.105)
Esta palavra será luz para seu caminho e verás, onde estão as pedras, as ciladas e os tropeços, assim você poderá caminhar em vitória em nome do Senhor Jesus.
“Muita paz tem os que amam a tua lei, e não há nada que os façam tropeçar”. (Sl119.165).
Quando Deus comissionou Josué, Ele lhe deu vários conselhos, essas foram palavras muito marcantes da vida deste homem.
“Não se aparte da tua boca o livro desta lei; antes medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer conforme a tudo quanto nele está escrito; porque então farás prosperar o teu caminho, e serás bem sucedido”. (Josué 1.8)
Preste bem atenção nas palavras “farás” e “ serás”. A decisão era de Josué. Deus lhe deu instruções, ele é quem faria essas coisas através da obediência.


Somos o que a bíblia diz que somos;
Temos o que a bíblia diz que temos;
Poderemos fazer o que a bíblia diz que podemos.


A decisão de ter um caminho prospero está em nosso poder. É só obedecer e aguardar com fé.
Eu já tomei minha decisão, e você?

9/11/2006

Ajustando nosso potencial.!

Existem duas maneiras de desperdiçar a vida: fazendo nada ou tentando fazer tudo ao mesmo tempo. É como o caçador que, se não perseguir nenhum animal ou se tentar capturar todos de uma só vez, poderá fracassar do mesmo jeito. O melhor então é definir um alvo específico. Mas, qual deles, dentre tantos que se apresentam?
Por exemplo, um menino pode vir a ser engenheiro, médico, dentista, psicólogo, juiz, professor, advogado, atleta, piloto de avião, cientista ou vendedor de enciclopédia. Sua capacidade física e mental é suficiente para o exercício de qualquer uma dessas profissões. Entretanto, ele não pode se dedicar a todas ao mesmo tempo, e talvez não viva o suficiente para realizá-las de modo consecutivo. Outro erro seria o desprezo a todas as possibilidades, deixando a vida passar inutilmente, ou ainda escolher uma alternativa e parar no meio do caminho, deixando de crescer tanto quanto poderia. Portanto, é necessário que identifiquemos o dom que Deus nos deu, seja natural ou espiritual. Não conseguiremos realizar todas as coisas ao mesmo tempo, mas existe algo que podemos fazer e faremos de modo excelente. A abelha, inseto tão pequeno e frágil, destaca-se entre todos os seres vivos porque é a única espécie em todo o universo que tem a capacidade de produzir mel. O ser humano ainda não conseguiu imitar com perfeição tal substância.Cada um de nós precisa descobrir sua área de atuação e deixar de gastar tempo excessivo com outras coisas, tarefas ou objetivos. Imagine se uma abelha resolvesse construir um casulo. De fato, ela não precisa disso e tem outras coisas para fazer, conforme o dom que Deus lhe deu.
“Pois assim como em um corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e individualmente membros uns dos outros. De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou o que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria.” (Rm 12.4-8.) Seja na vida profissional ou ministerial, precisamos descobrir onde e como podemos usar nosso potencial de modo mais produtivo. Cada cristão precisa conhecer sua identidade enquanto membro do Corpo de Cristo. Se o olho tentar falar, ele se sentirá inadequado e inútil. Será um fracasso. Se, porém, tentar enxergar, descobrirá sua real utilidade. Da mesma forma, algumas pessoas estão tentando exercer funções que não lhes são apropriadas. Por exemplo, alguém pode tentar pastorear quando, de fato, seu dom é voltado para o evangelismo.“E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres, tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo.” (Ef 4.11-12.) Jesus tinha plena consciência do propósito de sua vinda ao mundo. Ele disse: “Eu não vim chamar justos, mas pecadores, ao arrependimento” (Lc 5.32).“Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir” (Mt 5.17). “Eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10.10). “Eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo” (João 12.47).“Perguntou-lhe, pois, Pilatos: Logo tu és rei? Respondeu Jesus: Tu dizes que eu sou rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade” (João 18.37). Sabendo a que veio e qual seria a hora certa para exercer seu ministério, Jesus não perderia tempo com outras atividades. Ele era bastante objetivo. O mesmo aconteceu depois com os apóstolos, inclusive com Paulo – “Porque Cristo não me enviou para batizar, mas para pregar o evangelho” (1Co 1.17); “E os doze, convocando a multidão dos discípulos, disseram: Não é razoável que nós deixemos a palavra de Deus e sirvamos às mesas” (At 6.2). Quando se recusaram a servir às mesas das viúvas, os apóstolos podem ter sido considerados soberbos, arrogantes, etc. Mas o que acontece é que eles tinham plena convicção do seu chamado. O desvio de função, naquele caso, poderia trazer danos permanentes para a igreja, que ficaria mal instruída na Palavra. Identificada nossa área de atuação, devemos dedicar-nos-á ela de modo objetivo, determinado e diligente. Dessa forma, nosso potencial será bem direcionado como a seiva de uma planta cujos galhos defeituosos foram podados. A objetividade no trabalho será favorável à quantidade e qualidade dos resultados.


Júlio César

8/29/2006



“Conhecimento nos leva à perfeição”


Uma, das muitas promessas de candidatos a cargos políticos, é acabar com desemprego.
Na verdade fica tudo só na promessa. O mercado nos mostra uma realidade em relação ao desemprego. Hoje a grande chave para se manter no mercado de trabalho é o conhecimento, é estar capacitado, é está preparado. Se olharmos para história de nosso país, antes quem tinha completado o segundo grau (ensino médio), considerava-se que tinha um bom nível de estudo, e sempre dava para arrumar um bom emprego. Os tempos passaram, e não mais apenas o ensino médio, mas faculdade, quem à tinha era “o cara” tinha emprego garantido em qualquer lugar, porém, o tempo passou e hoje não só faculdade, agora, pós graduação, mestrado, doutorado, Thd, e Phd e por aí vai, sempre necessário ter mais e ser mais. Outro contraste é: querem jovens no mercado de trabalho, porém, com experiência, já preparado para enfrentar o mercado. Então a grande questão, é ter conhecimento, é saber sempre mais do que os outros, é isso que o mundo nos pede.


Na vida cristã a coisa não é diferente, Deus também nos fala para estarmos preparados para aquilo que ele tem para as nossas vidas, preparados para as bênçãos, e também para as lutas, pois elas virão. Sabemos que Deus nos capacita e que o Espírito Santo é cooperador conosco. “Aquele que começou boa obra, há de completa-lá até o dia de Cristo Jesus (Fp1.6). Deus quer fazer uma grande obra em nossas vidas, quer nos preparar para muitas coisas; grandes são as promessas de Deus em nossas vidas, mas é necessário que possamos dar um passo importante em adquirir conhecimento.


O conhecimento secular é muito importante, porém, não existe coisa maior e melhor, e mais importante do que conhecer a Deus. Não importa o quanto nós sabemos, quais os títulos acadêmicos que temos, até onde somos capazes de chegar, através da nossa força, ou de posição social, importa realmente conhecer a Deus. Por que assim diz o Senhor: Não glorie o sábio na sua sabedoria, nem o forte, na sua força, nem o rico, nas suas riquezas; mas o que se gloriar, glorie-se nisto: em me conhecer e saber que eu sou o Senhor e faço misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o Senhor. (Jr 9.23,24). Tenhamos então irmãos antes de tudo conhecimento de Deus, e com certeza teremos sabedoria dada por Ele para vencer as dificuldades, “Se, porém, alguém precisa de sabedoria peça-a Deus, que a todos dá liberalmente e nada lhes impropera; e ser-lhe-à concedida. ( Tg 1.5). Fica bem claro que Deus quer, que os seus filhos o conheçam, e quer também que andemos em sua presença, para que possamos alcançar aquilo que ele tem para cada um de nós. Assim como Deus disse a Abraão: que ele poderia ser perfeito se andasse com Deus, creio que possamos ser mais, do que somos se andarmos com Deus.


“Eu sou o Deus Todo-Poderoso; anda na minha presença e sê perfeito”. (Gn 17.1b)


Júlio César

8/24/2006

Seja um vencendor ao obedecer a Deus

A partir do momento em que nascemos de novo, a partir do momento em que nos convertemos, devemos estar disponíveis para Deus, há vontades nossas que precisam morrer, há desejos nossos que temos que sacrificar, a vida cristã é uma vida de renúncias, é uma vida a qual sacrifica-se o nosso sonho para sonhar os sonhos de Deus, uma vida a qual se abre mão de tudo por amor a Deus, mesmo que seja difícil, a vontade de Deus deve prevalecer, pois só Ele é digno de saber o melhor, a verdadeira solução, não adianta teimar, não adianta, para você progredir você tem que obedecer, ter humildade, reconhecer que Deus é Deus, e só Ele pode te ajudar. Quantas coisas poderíamos evitar, se antes perguntássemos ao Senhor, quantos sofrimentos poderiam ser evitados se consultássemos ao Senhor. Não podemos questionar a Deus. Em tudo que for fazer devemos perguntar a Deus, não devemos agir por impulso, assim, sem pensar. Devemos ser prudentes e tomar cuidado em nossas decisões. Por isso devemos sempre pedir a Deus sabedoria e discernimento. Não devemos dar um passo sem perguntar a Deus, Ele só quer o nosso melhor, o nosso bem. Se Deus quiser; hoje sua benção chega, se Ele quiser; hoje a sua cura chega, se hoje Ele permitir você prospera, apenas se Deus quiser, mais é claro, depende de você, depende da sua fé, do seu clamor.
Deus não quer ver ninguém se entregando as lutas, Ele não quer ver ninguém derrotado. Deus quer fazer de você um vencedor. Deus quer que você vença; que seja curado, restaurado, abençoado, mais depende também de você, ter comunhão com Ele, depende de você, ter fé, acreditar... E aceitar a vontade do Senhor na sua vida, sem reclamar, sem murmurar e principalmente sem duvidar porque Deus tem o melhor para sua vida, por isso quando Ele quer, Ele faz as coisas tremendas e acontecerem no tempo certo, Ele sabe o momento certo para te abençoar, Ele sabe quando seu coração vai estar preparado para receber grandes bênçãos. Devemos procurar estar sempre no centro da vontade de Deus, devemos procurar fazer a vontade do Pai, é Ele quem manda na nossa vida. Não podemos lutar contra a vontade de Deus, devemos cumpri - lá. Aquele que faz a vontade de Deus é sempre bem-aventurado, é sempre abençoado, mesmo que antes tenha que passar por lutas, depois a vitória vem, e é maior do que as lutas, com certeza, vale a pena ser fiel; vale a pena esperar em Deus; vale a pena seguir sua vontade. Mesmo que você não compreenda a vontade de Deus, mesmo que você não entenda o plano que Ele tem pra você, vale a pena confiar.
Entender que a vontade do Pai é a melhor opção a ser seguida, não importa se parecer que esta tudo dando errado, não importa se parecer difícil, deixa Deus tomar o controle da tua vida, Ele é o Todo-poderoso e mais do que ninguém sabe muito bem o que faz. Deus quer o nosso bem, Ele quer que vençamos, Ele quer que possamos gozar de tudo aquilo que Ele preparou para nós, quer que tenhamos a vida eterna e que possamos vencer assim como o Senhor Jesus.
“A falta de paciência na espera pode levar alguém a precipitações, cujas conseqüências conduzem a sofrimentos ou prejuízos que poderão acompanhá-la pelo resto da vida.”

8/09/2006

De servo a senhores




Estamos vivendo um tempo de "modismo”, em que a onda do momento é receber, é reivindicar a nossa herança, aquilo que "achamos" que temos direito.
Gostaria de citar a vida de dois homens de Deus, a qual são exemplos para nós de vida, de fé, relacionamento e fidelidade ao Senhor: Abraão e Jó.

Abraão, aquele que recebeu uma promessa do Senhor (Gn 12.2-3). Anos se passaram e ele esperou, e um dia a promessa tão sonhada chegou (Gn 21.1-7). O que difere Abraão de nós? A diferença é que ele esperou, e nós queremos pra ontem, não estamos dispostos a esperar, queremos e pronto: "Eu determino, Eu tomo posse, eu profetizo, eu recebo". O interessante que quando Abraão recebe a tão sonhada benção, Deus pede a Abraão, aquilo que ele esperou por muito tempo (Gn 22.1-2). E o que ele faz? (Gn 22.3-12). E o que nós faríamos???

Jó, o que falar deste homem? O que Deus diz dele? "Homem íntegro reto, e temente a Deus e que se desvia do mal" (Jó 1.1).
Olhamos para a vida de Jó e vemos um exemplo de fidelidade ao Senhor em todas as circunstâncias. Diante de feridas (Jó 2.7-8), diante das perdas (Jó 1.13-19), diante de acusações (Jó 15.2-16) e em varias outras lutas, ele permaneceu fiel. Diante da circunstância de Jó, dos problemas que estava vivendo ele não pecou contra Deus (Jó 1.22), a sua fidelidade não mudou. E a nossa será que mudaria???

Na verdade, todos querem ouvir essa frase do Senhor: "Homem íntegro reto, e temente a Deus que se desvia do mal”. Porém poucos querem aceitar a submeter-se a vontade de Deus, importa ela qual for, principalmente quando são lutas e provações iguais as da vida de Jó. Na verdade, muitos anseiam as bênçãos de Abraão, ter uma fé igual a sua, ouvir a vós de Deus como ele ouviu, mas ninguém está disposto a esperar tanto tempo, na verdade todos querem suas heranças, porém ninguém quer sacrificar "Isaque".
Na verdade queremos ser senhores, e não servos. Tratamos Deus semelhante a um garçom, se ele nos servir bem, nos atender, nos satisfazer, nós até pagamos os dez por cento (10%).



Amados, a graça e paz do Senhor Jesus!!!

Júlio César

8/01/2006

Podemos ir além de onde fomos e fazer muito mais do que já fizemos

“Criou Deus, pois, o homem, à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou. E Deus os abençoou e lhes disse: Crescei e multiplicai-vos, enchei a terra..." (Gn. 1.27-28.) Ao criar o primeiro homem e a primeira mulher, Deus começou o que não podíamos começar. Cabe, porém, a nós a continuidade expressa na ordem: “Crescei e multiplicai-vos”. Além da questão reprodutiva, presente no texto, podemos perceber ali princípios permanentes que podem ser aplicados em diversas áreas da nossa vida. Deus determinou um objetivo, uma missão: encher a terra, mas, antes disso, deu a bênção, que incluía o potencial necessário para que o homem pudesse concretizar a vontade divina. Entretanto, se essa capacidade, esse poder, deixasse de ser usado, Adão e Eva ficariam sós, no mesmo lugar, para sempre.Muitas vezes, assumimos o papel de expectadores, querendo que Deus faça tudo, quando, de fato, o que falta é a nossa parte. Queremos que ele visite os hospitais e os presídios, quando nós é que deveríamos visitar. Queremos a conversão das almas, mas deixamos de evangelizar. Algumas bênçãos que pedimos não são dadas porque elas devem ser fruto do nosso próprio trabalho.Mesmo que o pecado não acontecesse, o homem precisaria sair do jardim um dia. Ele não seria expulso, nem teria o caminho de volta bloqueado, mas seria necessária sua ida a outros lugares. Afinal, sua autoridade era sobre toda a terra e não apenas sobre o Éden (Gn. 1.28).O jardim era um lugar de delícias, com todo suprimento, conforto e felicidade. Contudo, havia muito mais a se fazer para que o objetivo fosse cumprido. Qual é o seu paraíso? Muitas pessoas permanecem definitivamente na casa dos pais, na cidade natal etc. Talvez seja necessário sair do jardim, no tempo certo, sob a direção de Deus, para alcançar o mundo. É preciso coragem para sair da zona de conforto, enfrentando novos desafios e dificuldades. Existe um grande potencial em cada um de nós que precisa ser utilizado. Não podemos desperdiçá-lo.A ordem divina, que lemos em Gênesis 1, expressa também o limite da autoridade humana. Deus não nos deu o domínio do universo, mas da terra. No entanto, nós estabelecemos limites muito mais restritos para a nossa ação. Foi o que aconteceu com os homens de Sinear, quando decidiram se fixar em uma planície, onde construiriam uma torre. Deus os dispersou para que o processo de conquista da terra continuasse (Gn. 11). Queremos morar no vale, mas Deus quer que subamos às montanhas.Podemos ir além de onde fomos e fazer muito mais do que já fizemos, porque existe em nós um potencial maior do que possamos imaginar. A proposta bíblica para nós é: plenitude (Rm. 15.29; Ef. 3.19; 4.13; Cl. 2.2). Não podemos nos contentar com menos do que isso no que diz respeito a tudo o que possa ser feito para a glória de Deus através de nós.Ao vermos uma lagarta, podemos sentir nojo. Não a valorizamos nem desejamos tocá-la. Contudo, ela tem dentro de si o potencial para se tornar uma linda borboleta. Uma pequena semente pode ser desprezada, mas tem dentro de si a capacidade para se tornar uma grande árvore e produzir muitos frutos.O barro espalhado pelo chão é sinônimo de sujeira, mas, nas mãos do oleiro, pode se tornar uma obra de arte caríssima.Cada um de nós deve se conscientizar da capacidade que Deus nos deu. Precisamos vislumbrar o que ainda podemos ser e fazer. Precisamos sê-lo, enquanto é tempo. Basta olharmos para as grandes realizações da humanidade para termos uma idéia do espantoso potencial do ser humano. Sua inteligência e criatividade sempre superam suas próprias expectativas. Entretanto, é relativamente pequeno o número de pessoas que exploram a fundo suas capacidades. A esmagadora maioria vive como a larva que nunca voou. Lagarta e borboleta não são espécies distintas, assim como os grandes homens da história ou os heróis da Bíblia não são diferentes de nós em termos de capacidade mental (Tg. 5.17). O que acontece é que eles foram além de seus limites aparentes, enquanto a maioria de nós permanece eternamente na mediocridade. Sob o aspecto natural, cada pessoa pode fazer muito mais do que já fez. Precisa acreditar nisso e agir, investindo em si mesmo, trabalhando e crescendo.Se o homem natural pode fazer tanto, o que dizer do espiritual? Se o potencial humano já é imenso, o que acontecerá se for incrementado pelo potencial divino? Esta é a possibilidade apresentada pelo cristianismo. Deus deseja se manifestar através dos homens. Ele não precisa disso, mas quis nos dar esta honra. Seria como juntar pólvora e fogo. O resultado é uma explosão. No reino de Deus, não podemos fazer nada sem ele, mas, se tivermos a ação do seu Espírito em nós, não haverá limites para as nossas realizações. Deus é “poderoso para fazer tudo, muito mais, abundantemente, além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera” (Ef. 3.20). Na disputa com os profetas de Baal (1 Rs. 18), Elias construiu um altar e colocou sobre ele o sacrifício. Depois, Deus enviou fogo do céu para consumir o holocausto. Se quisermos fogo divino, precisamos construir o altar. Existe muito que fazer na busca ao Senhor. Ele responderá com poder. O potencial divino trabalha neste mundo junto com o potencial humano. Às vezes, queremos que Deus construa o altar. Ajoelhamos, oramos e esperamos. Queremos ver as pedras saindo do lugar, quando nós é que deveríamos movê-las. Se tivermos forças para caminhar, não podemos ficar parados. Em qualquer área da nossa vida, o caminho para a excelência é muito longo, mas precisamos dar o próximo passo, sem demora. O tempo passa rapidamente. Um dia, olharemos para trás e faremos um balanço da nossa vida. O que teremos realizado? O tempo é agora. Levantemo-nos para agir, utilizando o potencial que Deus nos deu.